+55 (21) 9921-47590‬ (adm)
+55 (21) 99694-3887 (criação)
mbaraka@mbaraka.com.br
Rua Guilherme Marconi, 66 / 305
20240-180
Rio de Janeiro, Brasil

+55 (21) 9921-47590‬ (adm)
+55 (21) 99694-3887 (criação)
mbaraka@mbaraka.com.br
Rua Guilherme Marconi, 66 / 305
20240-180
Rio de Janeiro, Brasil

+55 (21) 9921-47590‬ (adm)
+55 (21) 99694-3887 (criação)
mbaraka@mbaraka.com.br
Rua Guilherme Marconi, 66 / 305
20240-180
Rio de Janeiro, Brasil

Cultura & Entretenimento

FESTIVAIS & MOSTRAS
EXPOSIÇÕES
MÚLTIPLAS LINGUAGENS
COMUNICAÇÃO CRIATIVA
 

Direção de arte & conteúdo

CURADORIA
CONTEÚDOS RELEVANTES
INSTALAÇÕES
CENOGRAFIA & EXPOGRAFIA

Mais projetos

Sobre

Há treze anos criamos projetos narrativos com abordagem crítica, alinhando pesquisa acadêmica, arte contemporânea, design, arquitetura, literatura e música. Somos conhecidos pela abordagem popular e provocativa nas experiências expositivas e culturais que criamos, colocando num mesmo lugar linguagens de universos distintos e gerando acesso.

Dezenas de exposições, festivais e um projeto multiplataforma de comunicação histórica (o Rolé Carioca), movimentaram centenas de artistas de todas as partes do mundo para diferentes espaços culturais e territórios da cidade do Rio de Janeiro. Em 2019 recebeu o prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, concedido pelo IPHAN ao projeto Rolé Carioca.

Com um resultado expressivo de crítica e público, o estúdio M’Baraká já apresentou projetos em espaços como CCBB RJ, Museu Histórico Nacional, Museu Nacional, Galeria BNDES, Oi Futuro, Museu do Amanhã, CRAB SEBRAE, entre outros.

Isabel e Diogo são os sócios fundadores e a essência do estúdio. Diogo é designer, formado pela Escola de Belas Artes da UFRJ e especializado em branding cultural e design de exposições e Isabel Seixas é formada em produção cultural na UFF e curadora. Desde de 2013 a sociedade ganhou o reforço da economista social e pesquisadora Larissa Victorio.

Equipe

Isabel Seixas

Sócia-Fundadora

e-mail
Diogo Rezende

Sócio-Fundador

e-mail
Larissa Victorio

Sócia e Gestora

e-mail
GISELE VARGAS

Produtora Administrativa

e-mail
Letícia Stallone

Curadora

e-mail
Ezio Evy

Designer Colaborador

e-mail
Isadora Gonzaga

Designer Colaboradora

e-mail
Mariana Solis

Designer Colaboradora

e-mail
Ana Fonseca

Produtora Colaboradora

e-mail
Beatriz Novellino

Produtora

e-mail
Monica Alves

Auxiliar de Escritório

e-mail

Clipping

P: Qual a origem do nome M’Baraká (UM-BA-RA-KA)?

R:

É uma palavra de origem indígena, que significa literalmente o som da maraca (espécie de chocalho feito de caçamba). Na mitologia Tupi representa a gênese.

P: Qual a relação entre cultura e design no estúdio? Como funciona no dia a dia?

R:

Cultura, enquanto conceito antropológico, engloba toda a representação material, imaterial, linguística, de comportamento e toda forma de expressividade e reconhecimento semiótico de um grupo. Cada vez mais global, mas sem dúvida ainda preservando peculiaridades locais, a cultura é o que, de fato, une um determinado grupo de pessoas. Seja no âmbito de projetos com conteúdos locais ou globais, o design auxilia enormemente a comunicação estratégica e adequada entre público-alvo e preceitos conceituais e artísticos do projeto. Design é uma importante parte da cultura material contemporânea. No dia a dia, dentro da M’Baraká a equipe de design é parte da equipe de criação e curadoria de alguns dos nossos projetos e não existe muita separação entre criação de projetos e criação de design, havendo uma grande sinergia entre curadores, idealizadores, artistas e designers. ESSA SINERGIA FAZ PARTE DO NOSSO DIFERENCIAL.

P: No Projeto Virei Viral — e em muitos outros — vocês falam sobre Cultura Contemporânea. O que é contemporâneo para vocês?

R:

Para nós, o contemporâneo é tudo que dialoga com o tempo/espaço que vivemos. Um conteúdo histórico pode, sem dúvida, receber um tratamento contemporâneo. Para tal, usamos de interfaces criativas, dedicamos muito tempo a pesquisa, curadoria e direção de arte e estratégias de comunicação, para que haja uma verdadeira fruição do que propomos nos projetos. E acreditamos que só assim, falando a língua do nosso tempo, conectamos pessoas e conteúdos.

P: Como eu faço para apresentar meu trabalho de arte para vocês?

R:

Manda um e-mail pra gente. Trabalhamos muito com equipes formatadas por projetos e estamos sempre abertos a conhecer novos produtores, fornecedores, artistas e designers e outros membros da nossa cadeia produtiva. Se a gente não tiver num momento de sufoco e, se “rolar um lance”, certamente chamaremos para um café na nossa M’Barakasa! Mande seu e-mail para mbaraka@mbaraka.com.br!

P: Qual a missão e visão da M’Baraká?

R:

Missão: Promover experiências que gerem conhecimento e valor.
Visão: Ser percebida como uma empresa que tem como diferencial a articulação de saberes, pessoas, linguagens e estéticas, com o compromisso de oferecer à sociedade experiências múltiplas, ancoradas na diversidade cultural, nas artes, no design e na parceria com profissionais criativos e investidores.
 

P: O que é design no contexto dos projetos da M’Baraká?

R:

Nós entendemos o design como um conceito de projeto de comunicação visual e espacial mais amplo. Trabalhamos de maneira multidisciplinar em design, misturando conceitos de design de produtos, de interface, design gráfico e design de ambientes, atendendo de maneira mais ampla às necessidades de comunicação de um projeto cultural. Quanto maior a complexidade de um projeto de design, maior a equipe de profissionais envolvidos: arquitetos, cenógrafos e programadores usualmente somam-se a equipe da casa.

P: Como vocês trabalham junto com artistas?

R:

Trabalhar com artistas é a essência do nosso fazer. Para nós é importante, sempre que possível, estabelecer o maior grau de diálogo entre o trabalho do artista e o projeto ou curadoria específicos que estamos desenvolvendo no momento. Não trabalhamos agenciando artistas (músicos, artistas visuais, atores etc.) nem somos uma galeria de arte. Nosso objetivo é contextualizar obras e trabalhos artísticos dentro de projetos, sempre preocupados com a qualidade da apresentação da obra e sua contextualização, buscando ao máximo provocar experiências sensoriais no público.