+55 (21) 9921-47590‬ (adm)
+55 (21) 99694-3887 (criação)
mbaraka@mbaraka.com.br
Rua Guilherme Marconi, 66 / 305
20240-180
Rio de Janeiro, Brasil

+55 (21) 9921-47590‬ (adm)
+55 (21) 99694-3887 (criação)
mbaraka@mbaraka.com.br
Rua Guilherme Marconi, 66 / 305
20240-180
Rio de Janeiro, Brasil

+55 (21) 9921-47590‬ (adm)
+55 (21) 99694-3887 (criação)
mbaraka@mbaraka.com.br
Rua Guilherme Marconi, 66 / 305
20240-180
Rio de Janeiro, Brasil

PROJETOS ARTÍSTICOS & CULTURAIS

EXPOSIÇÕES & MUSEUS
HISTÓRIA E CIDADES
MULTIPLAS LINGUAGENS
PROJETOS MULTIMÍDIA
 

DESIGN & Curadoria

CURADORIA
NARRATIVAS RELEVANTES
DESIGN DE EXPOSIÇÕES
CONTEXTUZLIAZAÇÃO DE COLEÇÕES
CENOGRAFIA

Mais projetos

Sobre

Há treze anos criamos projetos narrativos com abordagem crítica, alinhando pesquisa acadêmica, arte contemporânea, design, arquitetura, literatura e música. Somos conhecidos pela abordagem popular e provocativa nas experiências expositivas e culturais que criamos, colocando num mesmo lugar linguagens de universos distintos e gerando acesso.

Dezenas de exposições, festivais e um projeto multiplataforma de comunicação histórica (o Rolé Carioca), movimentaram centenas de artistas de todas as partes do mundo para diferentes espaços culturais e territórios da cidade do Rio de Janeiro. Em 2019 recebeu o prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, concedido pelo IPHAN ao projeto Rolé Carioca.

Com um resultado expressivo de crítica e público, o estúdio M’Baraká já apresentou projetos em espaços como CCBB RJ, Museu Histórico Nacional, Museu Nacional, Galeria BNDES, Oi Futuro, Museu do Amanhã, CRAB SEBRAE, entre outros.

Isabel e Diogo são os sócios fundadores e a essência do estúdio. Diogo é designer, formado pela Escola de Belas Artes da UFRJ e especializado em branding cultural e design de exposições e Isabel Seixas é formada em produção cultural na UFF e curadora. Desde de 2013 a sociedade ganhou o reforço da economista social e pesquisadora Larissa Victorio.

Equipe

Isabel Seixas

Sócia-Fundadora

e-mail
Diogo Rezende

Sócio-Fundador

e-mail
Larissa Victorio

Sócia e Gestora

e-mail
GISELE VARGAS

Produtora Administrativa

e-mail
Letícia Stallone

Curadora

e-mail
Ezio Evy

Designer Colaborador

e-mail
Mariana Solis

Designer Colaboradora

e-mail
Beatriz Novellino

Colaboradora

e-mail
Monica Alves

Auxiliar de Escritório

e-mail

Clipping

P: Qual a origem do nome M’Baraká (UM-BA-RA-KA)?

R:

É uma palavra de origem indígena, que significa literalmente o som da maraca (espécie de chocalho feito de caçamba). Na mitologia Tupi representa a gênese.

P: Qual a relação entre cultura e design no estúdio? Como funciona no dia a dia?

R:

Cultura, enquanto conceito antropológico, engloba toda a representação material, imaterial, linguística, de comportamento e toda forma de expressividade e reconhecimento semiótico de um grupo. Cada vez mais global, mas sem dúvida ainda preservando peculiaridades locais, a cultura é o que, de fato, une um determinado grupo de pessoas. Seja no âmbito de projetos com conteúdos locais ou globais, o design auxilia enormemente a comunicação estratégica e adequada entre público-alvo e preceitos conceituais e artísticos do projeto. Design é uma importante parte da cultura material contemporânea. No dia a dia, dentro da M’Baraká a equipe de design é parte da equipe de criação e curadoria de alguns dos nossos projetos e não existe muita separação entre criação de projetos e criação de design, havendo uma grande sinergia entre curadores, idealizadores, artistas e designers. ESSA SINERGIA FAZ PARTE DO NOSSO DIFERENCIAL.

P: No Projeto Virei Viral — e em muitos outros — vocês falam sobre Cultura Contemporânea. O que é contemporâneo para vocês?

R:

Para nós, o contemporâneo é tudo que dialoga com o tempo/espaço que vivemos. Um conteúdo histórico pode, sem dúvida, receber um tratamento contemporâneo. Para tal, usamos de interfaces criativas, dedicamos muito tempo a pesquisa, curadoria e direção de arte e estratégias de comunicação, para que haja uma verdadeira fruição do que propomos nos projetos. E acreditamos que só assim, falando a língua do nosso tempo, conectamos pessoas e conteúdos.

P: Como eu faço para apresentar meu trabalho de arte para vocês?

R:

Manda um e-mail pra gente. Trabalhamos muito com equipes formatadas por projetos e estamos sempre abertos a conhecer novos produtores, fornecedores, artistas e designers e outros membros da nossa cadeia produtiva. Se a gente não tiver num momento de sufoco e, se “rolar um lance”, certamente chamaremos para um café na nossa M’Barakasa! Mande seu e-mail para mbaraka@mbaraka.com.br!

P: Qual a missão e visão da M’Baraká?

R:

Missão: Promover experiências que gerem conhecimento e valor.
Visão: Ser percebida como uma empresa que tem como diferencial a articulação de saberes, pessoas, linguagens e estéticas, com o compromisso de oferecer à sociedade experiências múltiplas, ancoradas na diversidade cultural, nas artes, no design e na parceria com profissionais criativos e investidores.
 

P: O que é design no contexto dos projetos da M’Baraká?

R:

Nós entendemos o design como um conceito de projeto de comunicação visual e espacial mais amplo. Trabalhamos de maneira multidisciplinar em design, misturando conceitos de design de produtos, de interface, design gráfico e design de ambientes, atendendo de maneira mais ampla às necessidades de comunicação de um projeto cultural. Quanto maior a complexidade de um projeto de design, maior a equipe de profissionais envolvidos: arquitetos, cenógrafos e programadores usualmente somam-se a equipe da casa.

P: Como vocês trabalham junto com artistas?

R:

Trabalhar com artistas é a essência do nosso fazer. Para nós é importante, sempre que possível, estabelecer o maior grau de diálogo entre o trabalho do artista e o projeto ou curadoria específicos que estamos desenvolvendo no momento. Não trabalhamos agenciando artistas (músicos, artistas visuais, atores etc.) nem somos uma galeria de arte. Nosso objetivo é contextualizar obras e trabalhos artísticos dentro de projetos, sempre preocupados com a qualidade da apresentação da obra e sua contextualização, buscando ao máximo provocar experiências sensoriais no público.